ALMAS ESPECIAIS

Cadastre-se e receba novidades por email

Ocorreu um erro neste gadget

DIVULGUEM - Associação Mineira de Hipertensão Pulmonar

29 setembro 2011

Vacina anti-HIV: sucessos iniciais

Após décadas de esperanças frustradas, os desenvolvedores de vacinas contra o HIV estão se permitindo uma cautelosa atitude otimista. Em conferência realizada em Bancoc, na Tailândia, cientistas relataram indícios moleculares que ajudam a explicar o primeiro sucesso de um teste da vacina em humanos. O resultado pode indicar o caminho para a produção de mais vacinas no futuro.

É possível afirmar que este foi até agora o experimento mais bem-sucedido’, afirma Adriano Boasso, imunologista do Imperial College de Londres. CONTINUE LENDO...

27 setembro 2011

Quer saber qual perfume combina com você?





Ulcera por pressão – conscientização para prevenção é a solução

O desenvolvimento de úlceras por pressão (UP) é um grave problema de enfermagem, pois, freqüentemente, é associado à má qualidade da assistência e exige uma grande demanda de tempo e dinheiro para tratamento das lesões, sobretudo quando a prevenção recebe menos atenção, quando não existem programas específicos voltados para esse problema.

O oxigênio é o “combustível” essencial para que as células possam ter garantido a vida e suas funções. Além dele, outros nutrientes fundamentais para o funcionamento adequado das células e tecidos, são conduzidos através dos vasos e capilares e distribuídos de forma a irrigar e alimentar essas estruturas. A manutenção da integridade e perfusão desses vasos é vital quando se deseja preservar as atividades celulares e teciduais em níveis fisiológicos normais.
As (UP) é uma área de lesão localizada da pele e nos tecidos adjacentes, causadas por pressão, tensão tangencial, fricção e/ou uma combinação destes fatores. [...] Custam e afetam milhões de pacientes, nos lares, nos centros de saúde, nas instituições hospitalares e, em particular, nas unidades de terapia intensiva (UTI). [...] A taxa de incidência e prevalência destas lesões é maior nas UTI.
A incidência de UP está estimada em 5% a 10% entre pacientes hospitalizados e 13% entre pacientes que estão em casas de assistência e 40% dos doentes internados em UTI desenvolvem UP nas duas primeiras semanas de hospitalização.
A UP é uma preocupação secular dos profissionais que prestam assistência a pacientes acamados, sendo sua prevenção e tratamento um desafio para a equipe de enfermagem por ser esta que mantém um maior contato com o paciente.
As localizações mais freqüentes das ulcera de pressão: “isquiática (16%), sacrococcígea (49%), trocantérica (11%), e calcânea (36%). Outras localizações incluem maléolos laterais (8%), cotovelos (9%), região occipital (1%), e região escapular (3%).




As úlceras por pressão possuem as seguintes classificações que verificam o comprometimento tecidual:
Estágio I – Presença de eritema cutâneo que não desaparece ao fim de 15 minutos de alívio da pressão. Apesar da integridade cutânea, já não está presente resposta capilar.
Estágio II – A derme, epiderme ou ambas estão destruídas. Podem observar-se flictenas e escoriações.
Estágio III – Ausência da pele, com lesão ou necrose do tecido subcutâneo, sem atingir a fascia muscular.
Estágio IV – Ausência total da pele com necrose do tecido subcutâneo ou lesão do músculo, osso ou estruturas de suporte (tendão, cápsula articular, etc.).

Imagens google



CONTINUE LENDO...



25 setembro 2011

Aristóteles

Qualquer um pode zangar-se - isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa,na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa - não é fácil. Aristóteles

Insigth

Clecilene carvalho imagem google

Acordei quando percebi que a vida não é feita apenas de sonhos;
Dormia quando percebi que os sonhos, bons, nos fazem acordar mais felizes;
Parada, olhando o tempo, percebi que ele pode ser cruel;
Corria quando notei que era preciso parar e aproveitar bem o tempo;
Odiei o amor porque a dor que sentia fazia sangrar;
Amei quando percebi que sem ele a vida é muito vazia;
Culpei quando não era capaz de alcançar o que desejava;
Agradeci quando percebi que nada é por acaso.
Senti solidão mesmo estando rodeada de pessoas;
Fiquei cheia de graça mesmo estando sozinha;
Fugi por pura covardia;
Lutei para ter coragem.
Verbalizei o silencio para que a voz pudesse gritar;
Gritei e não fui ouvida;
Aprendi a ouvir para que escutassem minha voz.

23 setembro 2011

Umidade relativa do ar – como ela interfere na nossa saúde?

Imagem google
Tem dias em que fica difícil respirar, o nariz fica seco e algumas pessoas chegam a ter epistaxe (sangramento nasal). Os olhos ardem, a garganta fica raspando, parece que o ar esta pesado. Tudo isto esta relacionado com a temperatura, o vento e principalmente com a umidade do ar.

O impacto da baixa umidade relativa do ar na saúde, embora seja difícil de separar dos efeitos da poluição do ar e da temperatura, dada a inter relação que ocorre entre estas variáveis, depende de características individuais como a idade, a existência de patologias prévias e das condições de moradia, trabalho e tempo de exposição. As crianças e idosos são mais susceptíveis aos efeitos da baixa umidade. Mesmo entre os adultos, as pessoas com asma ou com outras doenças respiratórias podem apresentar desencadeamento de crises ou o agravamento da enfermidade.


Quando há uma queda na umidade relativa do ar, ocorre uma diminuição da hidratação das vias aéreas respiratórias. Ocorre, então, uma agressão as mucosas que revestem as fossas nasais e o trato respiratório como um todo. Essa desidratação nasal resulta na redução da frequência do batimento ciliar (aquela fina camada de cílios microscópicos da parte interna do nariz) e compromete a filtragem das partículas poluidoras, que entram no organismo e podem causar infecções respiratórias, intensificar crises de asma e até mesmo provocar lesões pulmonares.

Alem disso a poluição nas cidades aumentam favorecendo o aparecimento das doenças respiratórias e o envelhecimento precoce.



Sabe-se que a exposição à poluição acelera o envelhecimento por aumentar as substâncias oxidantes no organismo. Mas não é só isso. O monóxido de carbono causa lentidão dos reflexos e sonolência. O dióxido de nitrogênio pode agravar a asma e reduzir as funções do pulmão. O ozônio também causa inflamação nos pulmões, diminuindo a sua capacidade enquanto os particulados menores (com menos de 1/2.400 de uma polegada) podem se alojar nos alvéolos pulmonares e provocar enfermidades respiratórias e cardiovasculares. Além disso, a poeira pode criar alergias, irritação da vista e da garganta


Os valores idéias da umidade relativa do ar, apontados pela OMS – Organização Mundial de Saúde encontra-se na faixa de 40 a 70%.


É importante salientar que quando a umidade do ar estiver abaixo de 40%, algumas ações serão muito importantes para diminuir o desconforto causado pelo ar seco, dentre elas:


Consumir muita água;

Entre as 11h e 15h devem-se evitar exercícios físicos ao ar livre;

Proteger-se do sol em locais sombreados e áreas com vegetação;

Com o intuito de umidificar o ambiente, utilizar toalhas molhadas, recipientes com água (bacias, por exemplo), vaporizadores;

Umedecer os olhos e a mucosa nasal com soro fisiológico.


Referencias


1. INDRIUNAS, Alexandre. Como funciona a umidade do ar. Disponível em: http://www.laboratoriodefisica.com.br/questoes/Como%20funciona%20a%20umidade%20do%20ar.pdf

2. Portal são Francisco. Ar - respirar é preciso. Disponível em: http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/meio-ambiente-poluicao-do-ar/poluicao-do-ar.php.

3. Prefeitura de São Paulo. Orientações com relação aos efeitos à saúde Da baixa umidade relativa do ar. Disponível em: http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/Orientacoes_relacao_efeitos_saude_da_baixa_umidade_relativadoar_1259603956.pdf

22 setembro 2011

PREPARE-SE PARA O VERÃO – o recomendado é atividade física e hábitos alimentares saudáveis.

imagem google

Faltam 03 meses para o verão, mas a maioria das pessoas deixa para se preparar para ele na ultima hora. Então sem dó nem piedade do seu corpo, da sua saúde, buscam dietas milagrosas, mas que na realidade nada trazem de beneficio para a saúde.

Lembrem-se que 03 meses é o tempo necessário para que seu organismo se habitue aos exercícios e mudanças alimentares.

O sobre peso é um mal que ataca cada vez mais brasileiros. Segundo o Ministério da Saúde, 43% da população estão com excesso de peso. E 13% são obesos.

Então vamos começar o nosso preparo para alcançar o peso desejado e como um brinde valioso melhorar a qualidade de vida.

A primeira coisa a se fazer é calcular o Índice de Massa Corporal (IMC): uma fórmula que permite verificar se o peso da pessoa está adequado para a altura dela. O cálculo é feito da seguinte forma: divide-se o peso pela altura ao quadrado e depois com o resultado obtido verifica-se através de uma tabela de referencia como anda seu peso.

Por exemplo, se você pesa 58Kg e mede 1,56m, você deve calcular da seguinte forma:

IMC: 58/1,56x1,56

IMC: 58/2,43

IMC = 23,86


O resultado obtido foi 23,86, então ao compará-lo com os dados da tabela de referencia abaixo, concluímos que esta pessoa encontra-se em seu peso normal/ideal.


IMC                                                     CLASSIFICAÇÃO

Abaixo de 18.4                                     Abaixo do peso

18.5 – 24.9                                          Peso normal

25.0 - 29.9                                          Sobrepeso

30.0 - 34.9                                          Obesidade Grau I

35.0 - 39.9                                          Obesidade Grau II

Acima de 40                                         Obesidade Grau III


Fique atenta(o), também, a sua circunferência abdominal, pois apesar de estar em seu peso normal, uma circunferência abdominal fora do indicado pode favorecer ao aparecimento de doenças, como por exemplo o infarto agudo do miocárdio.

A circunferência abdominal é um método simples e representativo da gordura acumulada no abdômen. Representa quando associada a outros fatores como, diabetes, hipertensão, colesterol e triglicerides alto e obesidade, alto risco para desenvolver a síndrome metabólica. A SÍNDROME METABÓLICA (SM) caracteriza-se pela associação, num mesmo indivíduo, de dislipidemia, diabetes mellitus do tipo 2 ou intolerância à glicose, hipertensão arterial e excesso de peso ou obesidade.


Esta medida é facilmente realizada: utilizando uma fita métrica não elástica, a circunferência abdominal é medida na altura da cicatriz umbilical (umbigo).


Após realizar a medica veja se você esta correndo algum risco:

Homens: >102 cm

Mulheres: > 88 cm


Então não basta apenas perder peso é importante, também diminuir medidas.

O ideal é perder cerca de dois quilos por mês. Nas primeiras semanas, a perda pode até ser maior, porque o corpo está se adaptando à educação alimentar. Mas essa perda deve ser gradual, porque ela precisa ser de gordura e não de músculo.

Portanto o exercício é fundamental para quem quer mudar definitivamente de estilo de vida. É o que vai nos permitir não abandonar totalmente certas comidinhas que tanto apreciamos (com moderação... Claro).

Alimentação saudável é o mesmo que dieta equilibrada ou balanceada e pode ser resumida por três princípios: variedade, moderação e equilíbrio. Portanto nada é proibido se você não tem um distúrbio metabólico. No entanto é preciso saber que tudo depende da quantidade e se você ingerir muitas calorias e não gastar energia, o resultado é um ganho de peso.


Mas há uma má notícia para as mulheres. Os homens levam vantagem na hora de emagrecer e tudo é culpa dos hormônios. A testosterona é um hormônio muito importante para a formação muscular, enquanto o estrogênio é um hormônio que facilita o depósito de gordura. E sendo o estrogênio o hormônio encontrado em maior quantidade nas mulheres, isto explica em parte a vantagem masculina no emagrecimento.

Vale ressaltar que estar fora do peso ideal não implica apenas em não se sentir à vontade com um biquíni ou sunga ou ficar chateada(o) com a imagem refletida no espelho.

As complicações decorrentes da obesidade são várias, desde diabetes, hipertensão a infarto agudo do miocárdio, dentre outras.

E não pense que o uso de medicamentos inibidores de apetite é a solução mais acertada. Todas as pessoas que tomam remédios precisam de prescrição médica e acompanhamento de um médico, pois os chamados inibidores de apetite têm feitos que nem sempre são favoráveis. E é claro deve haver mudança de comportamento, inclusive nos hábitos alimentares, pois não dá para tomar estes medicamentos à vida toda.


Então aproveite as dicas a seguir, associe exercícios, dieta balanceada e hábitos saudáveis, para quem sabe chegar ao verão em boa forma e o melhor com mais saúde e qualidade de vida.

Confira as 14 metas da educação alimentar, indicadas pelo Centro de Referência em Nutrição da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

1) Faça de 5 a 6 refeições por dia.
2) Frutas na sobremesa e nos lanches.
3) Coma verduras e legumes no almoço e no jantar.
4) A porção de carne deve ser do tamanho da palma da mão.
5) Troque a gordura animal por vegetal e consuma com moderação.
6) Modere nos açúcares e nos doces.
7) Diminua o sal e os alimentos ricos em sódio.
8) Consuma leite ou derivados na quantidade recomendada.
9) Consuma pelo menos 1 porção de cereal integral.
10) Coma uma porção de leguminosas por dia.
11) Reduza o álcool. Evite o consumo diário.
12) Beba no mínimo 2 litros de água por dia.
13) Faça pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias.
14) Aprecie sua refeição. Coma devagar.




E ainda as cinco dicas deixadas pelos endocrinologistas no programa bem estar, exibido no dia 21/09/2011.

Cinco dicas importantes para perder peso:


1 - Fique atento à sua saúde: Monitorar a pressão e os níveis de gordura no sangue e prestar atenção nas respostas que você dá às atividades e à nova alimentação podem ajudá-lo a traçar um caminho mais saudável. Não é bom exagerar nem exigir do corpo mais do que ele pode fazer. Os resultados de exames regulares e mudanças no organismo podem servir de incentivo para você continuar lutando contra a balança.

2 - Fracione sua alimentação: Refeições menores e mais frequentes exigem que o metabolismo usado na digestão seja ativado mais vezes e, assim, gaste mais energia para poder processar a comida. Ingerir algo a cada três horas também ajuda a matar a fome, evitando inclusive que você faça pratos muito grandes.

3 - Não pule refeições: Não ignore o café da manhã, o almoço ou o jantar, porque assim você vai ficar com fome e acabar comendo mais depois, o que pode ser pior para a digestão e o metabolismo.

4 - Fuja das dietas malucas: Regimes muito restritivos podem privá-lo de elementos importantes para o funcionamento do corpo e de energia para as atividades físicas.

5 - Não vire atleta da noite para o dia: Ninguém consegue entrar em um ritmo maior que o limite do próprio corpo. Portanto, não dá para sair do sedentarismo total e virar um esportista de alto rendimento. O corpo precisa se acostumar com a atividade, por isso é fundamental começar com calma e ir avançando aos poucos.


Referencias


BEM ESTAR. Desafio do Bem Estar propõe que você fique em forma até o verão. Disponível em: http://g1.globo.com/bemestar/noticia/2011/09/desafio-do-bem-estar-propoe-que-voce-fique-em-forma-ate-o-verao.html.

GLOBO REPORTER. SÉRIE DE REPORTAGENS EXIBIDA EM 2010. Disponível em: http://g1.globo.com/globoreporter/0,,MUL1527629-16619,00-CONFIRA+AS+METAS+PARA+EMAGRECER+COM+SAUDE.html

Não faça nenhuma dieta radical demais ou tome medicamentos sem prescrição. Procure a ajuda de um bom profissional e alcance seu peso ideal com saúde.

20 setembro 2011

ANSIEDADE é bom ou ruim?

Imagem google



Digamos que tudo precisa de equilíbrio.

Em nosso contato com a realidade, é comum desenvolvermos sentimentos de felicidade e gratidão diante de sucessos e sentimentos de decepção e sofrimento diante de nossos insucessos. Diante de nossos sofri¬mentos passamos a detectar como "perigo" tudo aquilo que ameace nossa segurança e tranquilidade, seja real ou imaginário. Costumamos também desenvolver uma série de reações diante das situações que julgamos ameaçadoras, reações às quais chamamos ansiedade.

Ansiedade está intimamente ligada às situações de mudança, uma vez que teremos de sair do ritmo com o qual estamos acostumados, o que mexe com nossa segurança. Por isso, todos nós experimentamos ansiedade em vários momentos de nossas vidas. Ansiedade é uma emoção normal, como a tristeza ou a alegria e até um certo ponto desejável, visto que pode estimular a inteligência e a criatividade, além de nos impulsionar para mudanças necessárias.


Podemos dizer que a ansiedade torna-se um transtorno quando mantém seu grau elevado por um período mais prolongado do que, por exemplo, alguma situação de crise que estejamos passando, e/ou quando se toma incapacitante, dificultando ou impossibilitando nossas atividades cotidianas.

 A ansiedade inadequada/patologica pode ser caracterizada de diversas formas, como por exemplo: fobia especifica, medo de um determinado estimulo (animais, altura, sangue...), fobia social (medo de ser avaliado negativamente por outras pessoas), transtorno do panico (medo das sensações fisicas da ansiedade), entre outros.


A ansiedade apresenta reações emocionais e fisiológicas.


As reações emocionais são ligadas ao medo e se apresentam como desconforto, intranquilidade, apreensão. A ansiedade difusa se manifesta no indivíduo que interpreta uma grande variedade de situações como ameaçadoras e apreensão por provável resultado desfavorável, o indivíduo tende a se deter aos aspectos negativos e ameaçadores das situações do cotidiano. Inclui-se, ainda, tensão, inquietação interna, opressão e desconforto subjetivo, preocupações exageradas, insônia, insegurança, irritabilidade, desconcentração, desrealização, despersonalização (ruptura com a personalidade), etc.

 As reações fisiológicas são ligadas à tensão e aparecem como sudorese, taquicardia, opressão no tórax ou epigastro, dores musculares, cefaléia, boca seca, queimação no estômago, ou ainda diarréia, náuseas, vômito, tonturas, turvação na vista.

Como os sintomas são diversos, podendo sugestionar outras patologias, o trabalho inicial do médico está em excluir outras doenças que possam ter sintomas semelhantes aos causados pela ansiedade patológica. Para tanto, alguns exames clínicos podem ser necessários, porém o mais importante é o relato detalhado de informações colhidas do paciente durante a consulta/anamnese.


Referencias

 PEREIRA, André L.S.. Construção de um protocolo de tratamento para o transtorno de ansiedade generalizado. Dissertação de mestrado – UFRJ – Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2005.  Disponivel em: http://teses.ufrj.br/IP_m/AndreLuizDosSantosPereira.pdf


AMBAN – Ambulatório de Ansiedade. Transtornos de ansiedade.  http://www.amban.org.br/profissionais/introducao.asp?hyperlink=introducao




18 setembro 2011

COLICA RENAL – “UMA PEDRA NO SAPATO”, digo, nos rins... O importante é tratar a causa!



Pois é, quem já passou por isso diz que a dor é realmente insuportável. Acredito que seja. Já imaginou uma pedra saindo, de você, pelo ureter, um canal estreito.


Cálculos renais, ou pedras nos rins, são formações endurecidas nos rins ou nas vias urinárias, resultantes do acúmulo de cristais existentes na urina. Sua presença pode passar despercebida, sem sintomas, mas pode também provocar dor muito forte que começa nas costas e se irradia para o abdômen em direção da região inguinal. É uma dor que se manifesta em cólicas, isto é, com um pico de dor intensa seguido de certo alívio. Em geral, essas crises podem ser acompanhadas por náuseas e vômitos e requerem atendimento médico-hospitalar

O que causa a dor é a migração do cálculo, a pedra em si, do rim até a bexiga pelo canal ureter, que une esses dois órgãos.
imagens google


A calculose urinária/pedras nos rins atinge cerca de 10% a 12% da população mundial. A doença acomete qualquer pessoa, sem distinção de idade, raça ou sexo, mas de acordo com as estatísticas, afeta principalmente homens brancos, com idade entre 20 e 40 anos, e habitantes de países tropicais. É porque, nesses lugares, as pessoas transpiram mais e, conseqüentemente, urinam menos, fazendo com que aumentem as chances de desenvolvimento dos cálculos.



Não pense você que após eliminar a pedra estará livre, pois a chance de uma pessoa ser acometida pela segunda vez por uma crise renal em um ano é de 15%. Em cinco anos, aumenta para 30% e, em 10 anos, passa para 40%.

Mais de 200 componentes foram descritos na formação de cálculos renais, mas a maioria deles é constituída por oxalato de cálcio. A maior parte dos portadores da doença apresenta absorção exagerada de cálcio através do intestino e, como consequência, excreção urinária mais elevada.

Para evitar esse acúmulo, recomendam-se medidas que aumentem o fluxo urinário: tomar muito líquido, evitar infecções e esvaziar a bexiga antes de senti-la cheia.

Muitos pensam que o fato da formação dos cálculos está relacionado com a absorção de cálcio, a modificação de hábitos alimentares é um procedimento preventivo. Porém o cálcio é elemento fundamental para a formação do esqueleto, ele está associado à diminuição da densidade óssea e à osteoporose. Portanto não é recomendada a restrição de cálcio.

Muitos têm cálculos, mas não sabem por que esses se formaram. É importante analisar o desenvolvimento dessas pedras para adotar medidas preventivas. Basta um simples exame de urina, sangue ou do próprio cálculo descartado, pois a análise de sua composição pode orientar o médico na escolha do tratamento mais adequado.



A ausência de dor não significa que o problema esteja resolvido, mesmo porque, em alguns casos de cálculo renal, pode danificar os rins a ponto de o paciente ter que se submeter a procedimentos como diálise e até mesmo o transplante.



Lembre-se o importante é tratar a causa!



REFERENCIAS



PIO, Augusto. Jornal Estado de Minas. Pedra nos rins. Caderno bem viver. Minas Gerais, 2008. http://www.ipsm.mg.gov.br/arquivos/pedras_nos_rins.pdf.



DRAUZIO, Varella. Prevenção de cálculo renal. http://drauziovarella.com.br/doencas-e-sintomas/prevencao-de-calculo-renal/



16 setembro 2011

ESCORE DE FRAMINGHAM - FAÇA O TESTE e veja qual o seu risco estimado para desenvolver doenças cardiovasculares.


Mais importante do que diagnosticar no indivíduo uma patologia isoladamente, seja diabetes, hipertensão ou a presença de dislipidemia, é avaliá-lo em termos de seu risco cardiovascular, cerebrovascular e renal global. O escore de Framingham estima o risco de uma pessoa apresentar doenças cardiovasculares nos próximos 10 anos.

Para estimar mais precisamente esse risco podem-se usar escores de predição. No Brasil recomenda-se aplicar o modelo de Framingham, utilizado no Manual de Capacitação dos Profissionais de Saúde da Rede Básica, revisto em 2005.

Para o cálculo do Escore de Framingham inicialmente são coletadas informações sobre idade, LDL-C, HDLC, pressão arterial, diabetes e tabagismo. A partir da soma dos pontos de cada fator são estimados os riscos cerebrovasculares MAIORES em 10 anos.


Os chamados eventos Cerebrovasculares Maiores incluem o Infarto do Miocárdio, Acidente Vascular Cerebral e Morte por causa Vascular.

Em termos práticos, costuma-se classificar os indivíduos em três níveis de risco - baixo, moderado e alto.

Essa classificação deve ser repetida a cada 3 e 5 anos ou sempre que eventos clínicos apontarem à necessidade de uma nova avaliação.

A partir da identificação de risco, são recomendadas medidas adequadas para o nível de risco estimado que incluam mudanças na alimentação, interrupção do tabagismo, combate ao sedentarismo e nos casos de risco elevado, a equipe de saúde deve prescrever determinados medicamentos.

Faz parte ainda do processo terapêutico o desenvolvimento de Educação em Saúde para os usuários e a comunidade que favorecem a adesão ao tratamento e dão suporte a mudanças de estilo de vida que possibilitam redução ou até reversão do quadro e melhor qualidade de vida.


Orientações:

Deixar de Fumar;
  • Fazer uma alimentação saudável com a redução da ingestão de Sal, Gorduras e Açúcares;
  • Manter o peso ideal;
  • Praticar Atividade Física, pelo menos 30 min por dia, 5 dias na semana;
    Manter sua Pressão Arterial dentro da faixa de normalidade.






Referencias

BRASIL. Ministério da saúde. DAB – Departamento de atenção básica. Escore de Framingham. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/cnhd/score_framingham.php.

 Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Prevenção clínica de doenças cardiovasculares, cerebrovasculares e renais / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. - Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 56 p (Cadernos de Atenção Básica; 14) (Série A. Normas e Manuais Técnicos). Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/cadernos_ab/abcad14.pdf




14 setembro 2011

FIBROMIALGIA – dor dos pés a cabeça.

Imagens google




O paciente descreve a fibromilagia como uma dor generalizada. Quando o médico solicita sua localização, o paciente é enfático ao dizer: “dói tudo” dos pés a cabeça. Descreve, ainda, a dor como queimação, pontadas, fincadas e relatam uma sensação de peso.

A fibromialgia é uma síndrome clínica que se manifesta com dor no corpo todo, principalmente na musculatura. Comumente a fibromialgia cursa com sintomas de fadiga, intolerância ao exercício e sono não repousante (isto é, a pessoa acorda cansada). Os médicos denominam a fibromialgia de uma síndrome, pois ela é caracterizada por um grupo de sintomas sem que seja identificada uma causa única para eles.

Dentre esta variedade de queixas, destaca-se cefaléia, tontura, zumbido, dor torácica atípica, palpitação, dor abdominal, constipação, diarréia, dispepsia, tensão pré-menstrual, urgência miccional, dificuldade de concentração e falta de memória.

A fibromialgia é um problema comum, visto em pelo menos 5% dos pacientes que vão a um consultório de Clínica Médica e em 10 a 15% dos pacientes que vão a um consultório de Reumatologia. Cerca de 30% a 50% dos pacientes possuem depressão.

O diagnóstico da fibromialgia é clínico, isto é, não se necessitam de exames para comprovar que ela está presente. Se o médico fizer uma boa entrevista clínica, pode fazer o diagnóstico de fibromialgia na primeira consulta e descartar outros problemas. Provavelmente o médico pedirá alguns exames de sangue, não para comprovar a fibromialgia, mas para afastar outros problemas que possam simular a fibromialgia, como hipotireoidismo, diabetes, entre outros.

A fibromilagia é classificada dentro do grupo de "reumatismo de partes moles", isto é, que não afeta as articulações. Vale à pena salientar que a fibromialgia NÃO é uma doença que afeta as articulações, e que NÃO existe o risco de deformidades ou perda de movimentos dos membros.

De cada 10 pacientes com fibromialgia, 9 são mulheres. Não se sabe a razão porque isto acontece. Não parece haver uma relação com hormônios, pois a fibromialgia afeta as mulheres tanto antes quanto depois da menopausa. A idade de aparecimento da fibromialgia é geralmente entre 30 e 60 anos. Porém, existem casos em pessoas mais velhas, crianças e adolescentes.

Não existe cura para a fibromilagia, porém, com o tratamento atual é possível a pessoa experimentar ficar sem dor ou com a dor a um nível muito baixo. Os outros sintomas como a fadiga, a alteração do sono e a depressão também podem ser tratadas adequadamente. Mais do que em outros problemas, o tratamento da fibromialgia depende muito do paciente. O médico deve atuar mais como um guia do que somente uma pessoa que fornece remédios. É muito importante que a pessoa com fibromialgia entenda que a atividade física regular terá que ser mantida para o resto da vida, pelo risco de a fibromialgia voltar se esta atividade for interrompida.

Em alguns casos a atividade física se torna a única terapêutica necessária. A atividade física apresenta um efeito analgésico; por estimular a liberação de endorfinas, funciona como antidepressivo; e proporciona uma sensação de bem-estar global e de autocontrole.

O tratamento pode ser farmacológico (antidepressivos tricíclicos, Bloqueadores seletivos de recaptação de Serotonina e Benzodiazepínicos) ou não farmacológico (exercícios físicos, acupuntura, suporte psicológico) ou ambos.

A fibromialgia, até o momento, não tem cura. O tratamento tem como objetivo o alívio da dor, a melhora da qualidade do sono, a manutenção ou restabelecimento do equilíbrio emocional, a melhora do condicionamento físico e da fadiga e o tratamento específico de desordens associadas.

O médico é o único que pode afirmar, com certeza, se o que está causando tanta dor pelo seu corpo é essa síndrome. Mas para chegar a essa conclusão ele se guia nas respostas de questões como as que aparecem no teste a seguir, elaborado pela reumatologista Evelyn Goldenberg, autora do livro O Coração sente, O Corpo dói (Ed. Atheneu).

Teste:
http://saude.abril.com.br/testes/teste_fibromialgia.shtml



REFERENCIAS

1.PROVENZA, JR et al. Projeto Diretrizes. Sociedade brasileira de reumatologia. Fibromialgia, 2004. Disponivel em: http://www.unifesp.br/grupos/fibromialgia/fibromialgia.pdf.
2.PAIVA, Eduardo S.. UFPR – Universidade Federal do Paraná. Fibromialgia. Perguntas e respostas. São Paulo. Disponível em: http://www.fibromialgia.com.br/novosite/
3.Fibromyalgia Network tratament & Research News. What Fibromyalgia Feels Like. Disponivel em: http://www.fmnetnews.com/basics-symptoms.php

13 setembro 2011

VACINA CONTRA A AIDS

A Unidade de Vacinas do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids em São Paulo precisa de voluntários para pesquisa internacional que estuda uma vacina contra o HIV. Veja os depoimentos de alguns voluntários e saiba como se inscrever.
DIVULGUEM

TRACOMA, doença oftalmológica altamente contagiosa – JÁ OUVIU FALAR?

O tracoma é a doença de maior disseminação no mundo estima-se que 41 milhões de pessoas são afetadas por ela. Constitui-se uma importante causa de cegueira, sendo responsável por aproximadamente 1,3 milhão dos casos de cegueira.


O tracoma é uma ceratoconjuntivite crônica, isto é, afeta a conjuntiva e a córnea. Seu agente etiológico é a bactéria Chlamydia trachomatis sorotipo A, B ou C. Trata-se da 2º maior causa de cegueira evitável.

O homem com infecção ativa na conjuntiva ou outras mucosas é o principal reservatório da doença.

As infecções, repetidas ao longo dos anos, podem evoluir para a formação de cicatrizes que levam à cegueira. Crianças de até dez anos de idade e com infecção ativa são os principais reservatórios do agente etiológico nas populações onde o tracoma é endêmico.

A principal forma de transmissão é a direta, mão-olho-mão; outra forma é a indireta, por objetos contaminados (toalhas, lenços, fronhas). A transmissão só é possível quando existirem as lesões ativas, sendo maior no início da doença, e quando existirem infecções bacterianas associadas.

O tracoma é geralmente descrito em locais com precárias condições de vida, com inadequadas condições de habitação, grande concentração populacional, precariedade do saneamento básico e baixos níveis educacionais e culturais. Atinge, mais freqüentemente, populações rurais pobres em áreas quentes e áridas de países em desenvolvimento.

Outros fatores também relacionados à presença de tracoma em uma comunidade são presença de insetos vetores, deslocamentos populacionais e presença de outras doenças oculares.

No inicio, o paciente pode apresentar fotofobia, lacrimejamento e sensação de “areia nos olhos”, com ou sem secreção purulenta em pequena quantidade (somente haverá grande quantidade de secreção purulenta quando houver outra conjuntivite bacteriana associada ao tracoma). Outro sintoma é a triquíase, uma doença que consiste no desvio do crescimento das pestanas/cilios para dentro, ou seja, em direcção ao globo ocular. A consequência mais comum é a irritação permanente da conjuntiva bulbar e da córnea, podendo resultar em conjuntivite ou ceratite.

A Organização Mundial de Saúde está propondo a Eliminação Mundial do Tracoma como causa de Cegueira até 2020. Para alcançar a meta de eliminação tem preconizado uma estratégia denominada “SAFE” (S – Cirurgia de Triquíase, A – antibióticos, F – limpeza da face e E – saneamento).
O tratamento depende da gravidade do tracoma. Poderá ser tópico, uso de pomadas e colírios; sistêmico, com uso de antibiótico via oral.

Ainda que todos os indivíduos sejam suscetíveis à doença, a infecção ou a reinfecção vai depender das condições do meio em que vivam. Independentemente do meio, algumas atitudes e práticas podem ser adequadamente trabalhadas pela Educação em Saúde.

Referencias

BEPA – Boletim Epidemiológico Paulista. Tracoma no estado de São Paulo. São Paulo, n.1, v.7, 2004. Disponível em: http://www.cve.saude.sp.gov.br/agencia/bepa7_tracoma.htm

BRASIL. Ministério da saúde. Manual de Controle do Tracoma / elaborado por Oswaldo Monteiro de Barros... [et al]. . Brasília : Ministério da Saúde : Fundação Nacional de Saúde, 2001. 56 p. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/manu_tracoma.pdf.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Doenças infecciosas e parasitárias : guia de bolso / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância Epidemiológica. –
8. ed. rev. – Brasília : Ministério da Saúde, 2010. 444 p. disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_infecciosas_parasitaria_guia_bolso.pdf.

CHINEN, Nilton H et al. Aspectos epidemiologicos e operacionais da vigilancia e controle do tracoma em escola no Municipio de Sao Paulo, Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde 2006; 15(2) : 69 – 75. disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/6artigo_aspectos_epidemio_operacionais.pdf

LUCENA, Abrahão da Rocha; CRUZ, Antônio Augusto Velasco e; AKAISHI, Patrícia. Epidemiologia do tracoma em povoado da chapada do Araripe - CE. Arq. Bras. Oftalmol., São Paulo, v. 73, n. 3, June 2010 . Available from .

11 setembro 2011

Logos e Eros

Imagem google

Tranquei todas as portas,
Fechei à chaves as janelas,
Fiquei trancada, sozinha...
Dentro de mim fiz morada.

Fui chamada de Logos,
Mas um grito bem alto,
Saltou do fundo de mim,
Dizendo que sou Eros.

Sou assim... Renasço,
Tiro o laço e liberto...
Sou Logos e Eros...

Recomeço e derrubo,
Sem pena o muro... Aquele
Que fiz dentro de mim.

09 setembro 2011

QUANTOS ANOS TÊM A SUA IDADE EMOCIONAL?

É isto mesmo, alguma vez você parou para pensar na sua idade emocional? Se a resposta for não, comece agora e verá o quanto vale a pena remoçar nossas emoções.


Envelhecemos no único lugar que deveria ser conservado continuamente jovem, a emoção. Entretanto, a tendência natural da emoção humana da meninice à velhice é uma escala ascendente de entristecimento. A criança é mais alegre que o adolescente, que é mais alegre que o adulto, que é mais alegre que o idoso. Por isso as doenças emocionais atingem mais a terceira idade e menos as crianças. Mas infelizmente já existem crianças emocionalmentes anciãs.

Olhe para a sua experiência. Você é mais alegre hoje ou no passado? É mais simples atualmente ou quando era uma criança? Consegue sorrir com facilidade por pequenas coisas como sorria na sua infância? Seus sonhos aumentaram ou diminuíram? O que tem valor em sua vida?


Cada ser humano é um mundo de mistérios. Nunca pense que você é um ser comum e sem importância. Há mais mistérios no cerne de sua alma humana do que no universo. O ser humano é mais do que já se disse sobre ele.

A emoção influencia todos os campos da razão, mas elas não devem escravizá-lo. Quem é governado pela razão é calculista, insensível, quem é governado pela emoção é hipersensível. As duas situações adoecem a alma humana.

Logos e Eros são dimensões densas e dinâmicas do ser humano. Logos é racionalidade, pensamento, ele planeja, calcula,avalia. Já Eros é afetividade, emoção e amor. Logos contabiliza gastos e Eros reparte até os últimos grãos.

Logos e Eros são dimensões diferentes, mas integrantes. A atitude conjuntiva associa Logos e Eros, inteligência e sentimento, ciência e prazer. A partir daí, o dialogo adquire maior expressão e amplitude. Não dá para ser feliz sendo apenas Logos ou sendo apenas Eros.

A emoção é um campo de energia em contínuo estado e transformação. Produzimos centenas de emoções diárias.

Não é possível para a natureza humana ter uma emoção continuamente prazerosa. O que um dia nos deixa emocionalmente satisfeitos, no outro já não causa nenhum efeito. O que acontece então? Acontece à chamada psicoadaptação, nós acostumamos às situações, por isso é tão importante o exercício de ver as mesmas coisas com olhos diferentes. Isto quer dizer, conseguir ver a beleza, valores, qualidades em uma mesma coisa, objeto, pessoa de forma continua, todos os dias. Admira-la como se fosse à primeira vez. Difícil? Sim, mas não é impossível, porém exige disciplina.

O envelhecimento precoce da emoção começa à medida que nós nos entulhamos com inumeráveis experiências angustiantes. Sofremos por antecedência, imaginando como seria se tal coisa acontecesse. E isto interfere em nossa saúde psíquica.

Algumas dicas para que você comece agora a cuidar das suas emoções:

Primeiro: Contemple o belo nos pequenos eventos da vida.
Tenha sempre atividades fora da sua agenda pelo menos uma vez por semana. Valorize aquilo que o dinheiro não compra. Não viva em função de grandes eventos, aprenda a extrair o prazer dos pequenos estímulos da rotina diária.
Segundo: Irrigue o palco da mente com pensamentos agradáveis.
Treine trazer diariamente à sua memória aquilo que lhe traz esperança, serenidade e encanto pela vida. Pense em conquistar pessoas e em superar seus obstáculos. Pense em ser íntimo do Autor da vida e conhecer os mistérios da existência. Cuide do seu espiritual.
Seus maiores inimigos estão dentro de você. Não se deixe derrotar ou se perturbar por pensamentos que lhe roubam a tranqüilidade e o prazer de viver. Treine ver o lado positivo de todas as coisas negativas.
Terceiro: Pense como um adulto e sinta como uma criança.
Treine pensar com lucidez, serenidade e consciência, mas tenha a simplicidade e a espontaneidade de uma criança. Treine ser uma pessoa agradável em sua empresa ou família. Cumprimente todas as pessoas do ambiente, aperte suas mãos e sorria. Uma pessoa é mais jovem emocionalmente quanto mais agradável ela for.
Quarto: Não faça o velório antes do tempo, não sofra por antecipação.
Pense nos problemas e nas situações que ainda não aconteceram o suficiente para planejar determinadas atitudes, mas jamais gravite em torno deles. Os que sofrem por antecipação treinam para ser infelizes, fazem de suas vidas um canteiro de preocupações e stress.
Quinto: Proteja sua emoção nos focos de tensão.
Não faça de sua emoção uma lata de lixo social. Treine protegê-la nos focos de tensão, não permita que as ofensas, as perdas e as frustrações invadam sua emoção. Não se esqueça que pensar muito aumenta a ansiedade e a ansiedade crônica envelhece a emoção.
Sexto: Não seja carrasco de si mesmo.
Não coloque metas inatingíveis para si. Reconheça a sua falibilidade. Mesmo não querendo errar, você falhará muitas vezes. Falhará, talvez, até em lições que já aprendeu. Não se destrua por sentimento de culpa nem cobre dos outros, o que eles não podem dar. Comece tudo de novo quantas vezes forem necessárias. Aprenda a ser compreensivo e paciente consigo mesmo...

Mude o que deve ser mudado, torne-se o protagonista da sua história e viva ao invés de passar pelos caminhos da vida... Mutatis Mutandis.

REFERENCIAS

ARDUINI, Juvenal. Antropologia: ousar para reinventar a humanidade. São Paulo, Editora Paulus; 3º edição, 2004. Coleção estudos antropológicos), pag. 32-34.

CURY, Augusto, Treinando a emoção para ser feliz: nunca a auto estima foi tão cultivada no solo da vida. São Paulo: Editora Planeta do Brasil, 2007, p. 31 – 39.

Para descontrair... faça o teste e descubra a sua idade emocional rsrsrsrs CLIQUE AQUI...

08 setembro 2011

Cansaço, lapsos de memória, ganho de peso: CUIDADO, pois o HIPOTIROIDISMO é mais comum do que você pensa.





imagens google



A tireóide pesa cerca de 30 gramas, lembra uma borboleta e fica na frente da laringe, na região popularmente conhecida como pomo-de-adão.
A tireóide produz dois hormônios muito importantes para o organismo: o T3 e o T4. Esses hormônios controlam o funcionamento de diversos órgãos importantes como: o coração, cérebro, fígado e rins. Por isso interferem diretamente no ciclo menstrual, sono, raciocínio, fertilidade, humor, no peso, memória, batimentos cardíacos, funcionamento intestinal. Interfere, também, no crescimento e desenvolvimento das crianças e adolescentes.
Quando a tireóide não está funcionando adequadamente pode liberar hormônios em excesso (hipertiroidismo) ou em quantidade insuficiente (hipotireoidismo).
O hipotireoidismo tem sido reconhecido como importante causa de morbidade no sexo feminino, atingindo 4 a 10% de todas as mulheres.
No hipotiroidismo devido à quantidade insuficiente de hormônios, tudo passa a funcionar lentamente. O coração bate mais devagar, o intestino prende e o crescimento pode ficar comprometido. Ocorre, também, diminuição da capacidade de memória; cansaço excessivo; dores musculares e articulares; sonolência; pele seca; ganho de peso; aumento nos níveis de colesterol no sangue; e até depressão. É como se o organismo tentasse parar o indivíduo por falta de combustível para ser gasto.
Quando o tratamento não é adequado, o paciente pode ter complicações como anemia, coronariopatia e desordens gastrointestinais, neurológicas, endócrinas, metabólicas e renais. Também são comuns as disfunções respiratórias, dislipidemia, glaucoma, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca e, no caso de recém-nascidos, retardo mental, surdez.
O tratamento para o hipotiroidismo não é difícil, basta fazê-lo da forma indicada pelo médico. Tomando a medicação todos os dias em um horário adequado, desta forma os sintomas diminuirão de forma lenta e gradual. O medicamento deve ser tomado pela manhã, ao acordar, em jejum. Isto porque os alimentos diminuem a absorção do remédio, dificultando o tratamento. É importante que seu médico saiba todos os medicamentos de que você esteja fazendo uso, pois ele ira avaliar possíveis interações medicamentosas e fará um acompanhamento dosando o TSH (hormônio estimulante da tireóide).
Vale ressaltar que se você tiver sintomas de hipotiroidismo, ou identificar qualquer irregularidade na tireóide, procure um médico. O exame para diagnosticar o hipotiroidismo é simples. As disfunções tireoidianas podem ser diagnosticadas com um simples exame de sangue para medir o TSH e se necessário o médico solicitará a dosagem dos hormônios tireoidianos no sangue (T3 e T4 livres), de anticorpos anti-tiroidianos e fazer uma ultrassonografia.

REFERENCIAS

ANDRADE JUNIOR, Nelson Elias; PIRES, Maria Lúcia Elias; THULER, Luiz Claudio Santos. Sintomas depressivos e ansiosos em mulheres com hipotireoidismo. Rev. Bras. Ginecol. Obstet., Rio de Janeiro, v. 32, n. 7, July 2010 . Available from .
SBEM – Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia. Tireóide. Disponível em: http://www.endocrino.org.br/tireoide/.
WARD, Laura S.. The difficult patient: drug interaction and the influence of concomitant diseases on the treatment of hypothyroidism. Arq Bras Endocrinol Metab, São Paulo, v. 54, n. 5, 2010 . Available from .

06 setembro 2011

SUAS UNHAS PODEM DIZER MUITO SOBRE SUA SAÚDE

Muitos cresceram ouvindo que àquelas manchinhas brancas na unhas eram sinal de boas novas, de um presente a caminho. Ou quando convinha o significado das tais pintinhas brancas significava a quantidade de mentiras contadas pela pessoa que as possuía.

O fato é que hoje já se sabe que alterações nas unhas significam, muitas vezes, que precisamos buscar ajuda de um profissional de saúde.

Na maioria das vezes àquelas manchinhas esbranquiçadas são decorrentes de pequenos traumas, mas fiquem atentos para aquelas manchas que ocupam uma extensão maior da unha e que não desaparecem.

Alguma vez você foi ao médico e ele durante o exame clinico pediu para ver suas mãos, pois é, as alterações nas unhas podem significar desde a falta de nutrientes, estresse e micoses até problemas mais sérios, como cirrose hepática, insuficiência renal e endocardite (a inflamação do revestimento interior do coração, geralmente provocada por bactérias).


Saiba o que significa cada alteração:

Manchas brancas pequenas: pequenos traumas. Às vezes você bate a unha e isso interfere na linha de produção de células. As que saem com defeito desenham as manchas. Como a unha cresce devagar, você nem se lembra que havia batido. Mas estas manchas podem estar presentes em vitimas de infarto, doenças renais, doenças auto-imunes e cirrose hepática e em certas infecções fúngicas.
Manchas grandes brancas: às vezes elas aparecem na ausência de zinco no organismo.
Coloração verde: infecção por Pseudomonas aeruginosa.
Coloração preta amarronzada: normalmente é causada por aumento de pigmento nos melanócitos na matriz ou por funcionamento anormal dos melanócitos. Pode ocorrer em negros sem significar doenças e pode estar relacionada à presença de nevos (pintas) ou tumores (melanoma).
Manchas amarelas ou unhas amareladas: Podem aparecer nas pessoas que tomam antibiótico por muito tempo seguido e naquelas que fumam muito. Quando ocorre em todas as unhas pode estar relacionado a distúrbios pulmonares e a linfedema.
Manchas arroxeadas: Por algum trauma, micose ou outra infecção.
Metade branca, metade avermelhada: Problemas renais
Fracas, quebradiças, com descamação: Falta de proteínas e vitaminas no organismo (provavelmente vitaminas do complexo B, vitamina C e vitamina E). Pode ter como causas o ressecamento das pontas dos dedos e doenças como eczemas, psoríase, e líquen plano. Pode ainda ocorrer como manifestação de doenças internas como hipotireoidismo e deficiência de ferro (anemias).
Verruga ao redor da unha: verrugas virais também chamadas de verrugas vulgares. Existem alguns tumores que se parecem com verrugas e devem ser examinados pelo médico. Devem ser retiradas cirurgicamente.
Unhas deformadas: Onicosquizia é o nome que se dá a unhas deformadas. Podem aparecer por traumas na base da unha e pelo uso exagerado das unhas no trabalho.
Linhas: Podem representar carência vitamínico proteica.
Unhas pálidas: Se for próximo da matriz, pode representar uma doença autoimune, como o lúpus, por exemplo.
Unhas fracas: Falta de vitaminas e sais minerais como o ferro e o cálcio.
Unhas encravadas: Alteração anatômica ou cortes errados. Devem ser tratadas adequadamente.
Ondulações: Geralmente indicam traumas (a espátula de empurrar cutícula é usada com força). E ainda: anemia e doença cardíaca ou pulmonar.
Unhas côncavas: possível falta de ferro.
Unhas convexas e sem brilho: podem indicar problemas cardíacos ou pulmonares

Agora que você já conhece as possíveis alterações, dê uma boa olhada e ouça o que suas unhas têm a dizer.

Referencias

BEDIN, Valcinir. As unhas podem revelar muito sobre sua saúde. Disponível em: http://www.pontinho.com.br/IMG_UP/11mhunhas.pdf.

Centro de Fototerapia e Dermatoscopia de Brasília. Doenças das unhas. Disponível em: http://www.dermatoscopiadf.com.br/site/index.php?option=com_content&task=view&id=34&Itemid=61.

Fitoterapia e Terapias Complementares. Unha forte, sinal de saúde. Disponivel em http://www.fitoterapia.com.br/portal/index.php?option=com_content&task=view&id=132&Itemid=2.

03 setembro 2011

QUEDA DE BRAÇOS

Clecilene Carvalho
Imagens google

Passamos a vida procurando nos realizar,
Trabalhamos, lutamos, sonhamos,
Perdemos-nos e encontramo-nos,
Tem aqueles que nunca se encontram.

Alguns brigam por tudo e outros por nada,
Alguns nunca dão o braço a torcer,
Outros vivem em queda de braço,
Há, também, os que dão o braço.

Uns estendem as mão e outros as escondem,
Tem os que dão o que tem e outros
Que não sabem dividir nem consigo mesmo,
E deixam no armário tudo o que poderia lhe ser bom.

Há quem diga que mudar de idéia é fraqueza,
E passam a vida arrependendo-se por não
Ter mudado o conceito e aproveitado como gostaria,
Estes vivem presos em seus armários internos.

Tem os sem razão que ganham no grito,
Tem os com razão que não perdem, apenas
Preferem, às vezes, manter a paz, mas
Mesmo assim são vistos como perturbadores.

Uns falam muito e nada dizem,
Outros que ao silenciarem dizem tudo,
Tem gente que lê sem símbolos,
Tem gente que não entende nem quando tem.

Uns vieram de passagem e outros
Simplesmente nem sabem a que veio
Alguns para serem diferentes e para fazer diferença
Tem a gente boa de verdade e os que fazem tudo para serem.

Tem gente que nem parece gente e bicho que sem ser parece.


Escrevi este texto/versos em um momento em que precisava muito desabafar, então gritei sem voz e usei palavras sem som.
As pessoas estão impacientes, não gostam de ouvir; a voz não consegue ser mansa, o grito é a palavra de ordem. Para alguns desrespeitar o direito do outro é quase um êxtase. A palavra união esta ameaçada de extinção, o amor, o respeito é fruta fora da estação. Triste viver em um mundo onde é preciso ensinar os humanos a terem humanidade e onde é preciso catástrofes para que a solidariedade seja aguçada.


Publicado em 2010.



MUTATIS MUTANDIS

Clecilene Carvalho
Imagens google


Há quem diga que mudar de idéia é fraqueza e passam pela vida arrependendo-se por não ter mudado o conceito e aproveitado como gostaria, estes vivem presos em seus armários internos.

Mude o que deve ser mudado, torne-se o protagonista da sua história e viva ao invés de passar pelos caminhos da vida.

02 setembro 2011

ESQUISTOSSOMOSE PODE CAUSAR HIPERTENSÃO ARTERIAL PULMONAR (UMA DOENÇA POTENCIALMENTE MALIGNA)

imagens google

No Brasil, a transmissão ocorre em 19 estados, numa faixa contínua ao longo do litoral, desde o Rio Grande do Norte até a Bahia, na região Nordeste, alcançando o interior do Espírito Santo e Minas Gerais, no Sudeste. De forma localizada, está presente nos estados do Ceará, Piauí e Maranhão, no Nordeste; Pará, na região Norte; Goiás e Distrito Federal, no Centro-Oeste; São Paulo e Rio de Janeiro, no Sudeste; Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, na região Sul. Atualmente, as prevalências mais elevadas são encontradas nos estados de Alagoas, Pernambuco, Sergipe, Minas Gerais, Bahia, Paraíba e Espírito Santo.

A esquistossomose é, fundamentalmente, uma doença resultante da ausência ou precariedade de saneamento básico.

A esquistossomose mansônica é uma doença infecciosa parasitária, causada por um trematódeo (Schistosoma mansoni) que vive na corrente sangüínea do hospedeiro definitivo. O homem é o principal reservatório.

A transmissão da doença, numa região, depende da existência dos hospedeiros intermediários. No Brasil, as três espécies, por ordem de importância, envolvidas na transmissão da doença são: Biomphalaria glabrata, Biomphalaria straminea e Biomphalaria tenagophila.


Modo de transmissão - Os ovos do S. mansoni são eliminados pelas fezes do hospedeiro infectado (homem). Na água, estes eclodem, liberando larvas ciliadas denominadas miracídios, que infectam o hospedeiro intermediário (caramujo). Após quatro a seis semanas, abandonam o caramujo, na forma de cercárias que ficam livres nas águas naturais.

O contato humano com águas que contêm cercárias, devido a atividades domésticas tais como lavagem de roupas e louças, de lazer, banhos em rios e lagoas; e de atividades profissionais, cultivo de arroz irrigado, alho, juta, etc., é a maneira pela qual o indivíduo adquire a esquistossomose.
A partir de cinco semanas após a infecção o homem pode excretar ovos viáveis de S.mansoni nas fezes, permanecendo assim durante muitos anos. Os caramujos infectados liberam cercárias durante toda a sua vida, que varia de semanas até três meses.


Complicações – a principal complicação da esquistossomose mansônica é a hipertensão portal nos casos avançados, que se caracteriza por hemorragias, ascites, edemas e insuficiência hepática severa. Estes casos, a despeito do tratamento, quase sempre evoluem para óbito.

Uma das suas formas particulares é a pulmonar e a cardiopulmonar. Predomina uma arteriolite obstrutiva que ocasiona cor pulmonale crônica, insuficiência cardíaca direta e perturbações respiratórias severas.
Portadores de esquistossomose têm mais chances de desenvolver a hipertensão arterial pulmonar (HAP), doença crônica que afeta o pulmão e o coração. Estudo do Grupo de Hipertensão Pulmonar do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), indica que 5% dos pacientes com a infecção esquistossomose hepatoesplênica (mansônica ou japônica) desenvolvem o problema, o que significaria a existência de 600 mil casos de hipertensão arterial pulmonar esquistossomótica (Hape) no mundo, sendo 250 mil no Brasil.
Um estudo realizado por Lapa e seus colaboradores, em um total de 232 pacientes, identificaram hipertensão arterial pulmonar idiopática (HAPI; também conhecida como hipertensão pulmonar primária antes das classificações de Evian, em 1998, e de Veneza, em 2003) em 50% dos casos identificados. Somente 10% dos casos foram associados com doença do colágeno ou do tecido conectivo. Os casos de esquistossomose indicam a associação de produtos do ovo de Schistosoma mansoni com a indução das alterações da artéria pulmonar características de hipertensão pulmonar severa. Como vários dos pacientes portadores de hipertensão pulmonar associada com esquistossomose também sofrem de hepatopatia esquistossomótica com hipertensão portal, o processo pulmonar é provavelmente afetado pelas alterações hepáticas e formação de shunts entre a circulação portal e a circulação pulmonar.
Acredita-se que a maior parte dos portadores de esquistossomose com hipertensão arterial pulmonar no País morra sem saber ser portador do problema secundário, segundo informações do site www.hipertensaopulmonar.com.br. Quanto mais cedo iniciar o tratamento para a HAP, melhor a resposta destes portadores, visto que tal doença é menos grave nestas condições do que quando um paciente desenvolve a doença sem causas conhecidas (forma idiopática).
Conforme o site, a HAP pode ser confundida com outras doenças, porque seus principais sintomas – falta de ar, cansaço, dor no peito, tonturas e palpitações frequentes, pele azulada e inchaço nos pés e tornozelos – estão também relacionados a outras doenças como a cardiopatia isquêmica coronariana, miocardiopatias e a asma brônquica.

Referencias

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia de Vigilância Epidemiológica. Brasília, 6º edição, 2005. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/esquistossomose_gve.pdf.
Diário do Grande ABC. Portador de esquistossomose pode desenvolver doença pulmonar crônica. Disponível em: http://www.amihap.com.br/.
Tuder, Rubin M.. Hipertensão pulmonar:. Caracterização baseada nd Experiência de Centros de Referência Rev. Assoc. Med.Bras. , São Paulo, v. 52, n. 3, junho de 2006. Disponível em .



Saiba mais sobre hipertensão arterial pulmonar - AMIHAP - Associação Mineira de Hipertensão Pulmonar

VOLTE SEMPRE

Leve-me com vc - Presente da Majoli

Loading...